30 March, 2012

Sextas Felizes #7

Jogar às cartas ou jogar xadrês. Mas sempre com o Gregory Peck.

Maravilhas tecnológicas

Ou como é cada vez mais difícil distinguir os verdadeiros artistas dos habilidosos. Encontrado no facebook da Sílvia.

Comentário político

A tendência para a Primavera/Verão 2012 é usar palavras que terminam em inho.

29 March, 2012

Atributos femininos

Mary Anne Evans era feia e tinha poucas hipóteses de casar. Se fosse hoje, poderia sempre ter feito uma plástica ao nariz. Mas eram outros tempos. Porque também era inteligente, o seu pai concedeu-lhe o privilégio de uma educação esmerada e pouco comum a raparigas do século XIX. Ela estudou e tornou-se escritora. Causou escândalo por viver com um homem casado e, mais tarde, chocou de novo ao casar com outro que era vinte anos mais novo. Muito à frente. Assinava os seus livros com nome de homem, para ser levada a sério. Para a história ficou como George Eliot. E ainda hoje é um bocado assim, não é? Para serem levadas a sério, as mulheres disfarçam-se de homens, com os seus fatos de cores sóbrias e corte masculino. A seriedade é um atributo pouco feminino.

Cheia de estilo #6

Esta loja. (E o que eu gosto da expressão "ter estilo". É tão típica da minha adolescência. Como dizer "dá-me uma beca" ou "um coche" ou que um concerto foi "uma pedra". I'm bringing ter estilo back. Tipo Justin Timberlake).



28 March, 2012

Gelo

Da série big cloud de Camille Seaman. Tirado daqui, onde as fotos se podem ver maiores.

Espaço Público

Tenho encontrado pessoas na rua que me conhecem do facebook. Bizarro. Gente com quem não tenho contacto pessoal, mas que sabe tanto de mim. O meu nome, onde moro, onde estudei, as bandas de que gosto, jantares que frequentei, quem são os meus amigos. Chegam ao pé de mim e vai de beijo e abraço. E, a verdade, é que sem saber como, eu também sei tanto sobre eles. Onde passaram férias, se estão apaixonados, o que pensam das segundas-feiras de manhã, que artigos lêem no jornal, se têm filhos, a quem dedicam músicas, porque clube torcem, onde foram jantar. É a fusão do espaço público com o privado.
(Em baixo: Vermeer a levar a esfera privada para o espaço público já no século XVII com Lady writing a letter with her maid)

Matemática

27 March, 2012

Mensagem Comercial

Intervalo publicitário: Encontrei qualquer coisa de parecido com as botas da Rachel Comey com que andava a sonhar. É só isto. Voltamos de seguida à programação habitual.

Snacks

Charles Arrowby é um famoso dramaturgo londrino, que resolve abandonar a sua vida agitada e retirar-se para um local isolado "to become a hermit". É também a personagem principal de The Sea, The Sea, o fabuloso livro de Iris Murdoch. É ele que, descrevendo as suas refeições simples, mas excêntricas, afirma "the secret to a happy life are continuous small treats", uma das poucas frases de nunca me esqueço e que estou sempre a citar - só neste blog já o fiz três vezes. Isto porque eu, não tendo outras semelhanças com Charles Arrowby, tenho em comum com ele o gosto por comer pequenos snacks, em vez de refeições completas, quando estou por casa. Como  iogurte grego com bolachas torradas, ou tostas com pasta de salmão do IKEA, ou simplesmente sopa de legumes.

Local de trabalho #16

O estúdio desta pintora no Havai. Mais aqui.

26 March, 2012

Gaveta #2

A Bateria*
Nós estávamos sentados no café mais antigo de Lisboa, onde moram os poetas mortos que tomavam absinto e deixaram suas frases escritas nas mesas. Madeira escura, letras gastas, balcão de mármore e empregados a sério. Naquela noite havia turistas que fumavam e bebiam o café queimado que se tornou uma coisa típica. Eles bebiam essa coisa horrível como os exploradores provam insectos na selva, para depois dizerem que tinham sobrevivido. Então entrou uma menina sueca com uns cabelos impossivelmente loiros e tu, que tocavas bateria muito alto para não me ouvires, olhaste para ela subitamente mudo. Imobilizado durante muitos segundos. Uns seis ou sete, diria agora eu. Foi então que naquele silêncio inesperado, eu ouvi com clareza o barulho agitado dos tambores que batiam também dentro de mim e foi então também que percebi que tens uma fraqueza por loiras. E era por isso que gostavas de mim.
* (texto de ficção não publicável, que estava na minha gaveta)




Não Sei Cozinhar - Episódio 07

O Não Sei Cozinhar é a rubrica low-fi de cozinha que estreia às segundas-feiras aqui no Menina Rapaz. O episódio desta semana é espectacular por duas razões: primeiro pelo convidado, o Luís Oliveira, que trabalha com música tanto na Antena 3, como no Top Mais da RTP. A segunda é porque eu passo uma boa parte do episódio a falar com a boca cheia, o que é sexy, para além de bem-educado. O Luís veio fazer uma entrada que é mais uma descoberta de génio: para a fazer basta misturar presunto, queijo mascarpone e rúcula. Não há que enganar, porque é tudo bom. Chamámos-lhe Presunto em Cama de Queijo e Rúcula. Já sabem, é comida de amigos para amigos. Cliquem no vídeo para ver.

Ingredientes "Presunto em Cama de Queijo e Rúcula"
Presunto
Queijo mascarpone
Rúcula

25 March, 2012

Menina Rapaz - Fim de Tarde

Março tem sido um mês generoso. Vou tentar recompensá-lo com um mix de música para fins de tarde de Primavera, com brisa morna e céus rosados. E, embora goste de todas as faixas, a de Vetiver é tão bonita que merece uma nota especial. Se eu cantasse, fazia uma cover de I Know No Pardon. Diz assim:

Some games you play well
well you lose
sometimes you're dealt
you don't get to choose


(E a imagem da mixtape é um quadro do Monet, que tão bem pintou jardins).

23 March, 2012

A Casa na Árvore

E, porque tenho passado tempo a escrever para crianças, esta porta terá que entrar numa das histórias.

Anacronismos

Falar de Trotsky em 2012 tem travo de coisa meio proibida e anacrónica. Foi por isso que achei curioso encontrá-lo a meio de God Is Not Great de Christopher Hitchens. É ele que relata o pedido de asilo político de Trotsky à Noruega, quando fugia de Estaline. O pedido foi-lhe recusado, porque a Noruega estava sob pressão internacional da Rússia e da Alemanha de Hitler. Fui daí direitinha ler mais sobre Trotsky, que viveu exilado grande parte da sua vida e cuja família, entre imprevistos e assassinatos, conheceu um destino cruel. Nenhum dos quatro filhos lhe sobreviveu e ele próprio viria a conhecer um fim trágico: foi assassinado no México onde tinha sido acolhido por Diego Rivera e Frida Kahlo. Não sei se pode conceber um homem à margem da sua ideologia e contexto. Neste caso, parece-me que não até porque aqui as duas se misturam de tal forma que é quase impossível distingui-las. O que sobressai e impressiona é a ideia de estarmos perante uma vida muito diferente da nossa. Porque uma das coisas que se tornou também anacrónica foi a ideia de vivermos em nome de um ideal. Hoje, as falhas dos nossos homens públicos saem no jornal todos os dias, depois esquecem-se e reciclam-se. Por um lado isso é bom, por outro é mau.
(Trotsky e os seus amigos americanos em Abril de 1940 no México)

22 March, 2012

Coerência

Tenho tantas dúvidas sobre a coerência. Por exemplo, porque é que a coerência é uma qualidade? As pessoas coerentes pensam realmente sobre os assuntos ou a chave da sua coerência é o facto de não reflectirem sobre nada? As pessoas coerentes, quando verificam que já não pensam da mesma forma, mantém a sua nova opinião secreta para que possam continuar aparentar serem coerentes? Como é que fazem as pessoas coerentes para não se deixarem convencer pelas opiniões alheias quando estas são bem fundamentadas? As pessoas coerentes ouvem mesmo o que os outros dizem ou simplesmente fingem ouvi-los? Quantas mudanças de posição são permitidas até deixarmos de considerar uma pessoa coerente e passarmos a considerá-la um vira-casaca? Porque é que a falta de coerência está aliada ao excesso de juventude? Porque é que as pessoas se gabam de serem coerentes durante uma vida inteira, mas raramente de terem mudado de opinião? (As minhas desculpas pela incoerência das premissas acima enunciadas. Imagem daqui)

Transição

Estes collants.

Fotografias

Amigos, tenho uma máquina fotográfica nova. E, como sou tão contida como uma criança antes de abrir os presentes de Natal, vim logo a correr deixar cinco imagens desta manhã. Eu vou melhorar. Prometo.

21 March, 2012

Luz

Foto de cima: Carole Lombard . Foto de baixo: Jean Harlow.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...