30 September, 2011

Like
















































Encontrado aqui

Mark Twain

Segundo post esta semana sobre Samuel Langhorne Clemens, mais conhecido como Mark Twain. Nasceu durante uma das passagens do cometa Halley pelo nosso planeta e prognosticou que morreria quando o cometa voltasse. Acertou, obviamente. (O que gosto nesta foto é do seu ar satisfeito).

Música de pequeno-almoço

Good morning, Mr. Cash.

29 September, 2011

Agatha e o Surf

Agatha Christie era uma autêntica "menina rapaz". Para além de escrever deliciosos livros policiais, foi também uma das pioneiras do surf europeu.
Escreveu a propósito: Nothing like it. Nothing like that rushing through the water at what seemed to you a speed of about two hundred miles an hour; all the way in from the far distant raft, until you arrived, gently slowing down, on the beach, and foundered among the soft flowing waves. Oh yeah.
(Aqui está ela em 1924 com a sua prancha. As aventuras serão publicadas em breve num livro)

Na Terra de Nod

Então disse Caim ao Senhor: é maior a minha maldade que a que possa ser perdoada.
Eis que hoje me lanças da face da terra, e da tua face me esconderei; e serei fugitivo e vagabundo na terra, e será que todo aquele que me achar me matará.
O Senhor, porém, disse-lhe: portanto, qualquer que matar Caím, sete vezes será castigado. E pôs o Senhor um sinal em Caím, para que não o ferisse qualquer que o achasse.
E saíu Caím da face do Senhor, e habitou na terra de Nod, da banda do oriente do Éden.

Genesis, 4:16–17

(em baixo: Road to the Land of Nod, de Frederick Childe Hassam, 1910)

Publicidade #14

Capas da Vanity Fair










































(em cima Outubro de 1917, em baixo Abril de 1928)

28 September, 2011

O estilo na perspectiva de Paul Smith































(Colecção Outono 2011)

Exageros

"The reports of my death are greatly exaggerated", é uma frase habitualmente atribuída a Mark Twain, ao descobrir que o New York Journal tinha publicado o seu obituário. E, muitas vezes é assim mesmo: as notícías da nossa "morte" são grandemente exageradas. Especialmente quando são os outros que a proclamam.
(Em baixo cópia do bilhete original escrito por Mark Twain em que se encontra a famosa frase. Maio de 1897)

Lookbook #2

E depois de vos ter apresentado este lookbook, aqui está outra descoberta, desta vez da RRL, etiqueta Ralph Lauren. Nicely done.

Abel e Caim

Afastamo-nos da escola flamenga, pela qual geralmente opto, para encontrar esta pintura de Ticiano (1542-44), que dramatiza uma das cenas mais marcantes do Antigo Testamento. E, se o quadro é suficientemente explícito relativamente a este episódio, o mesmo não se pode dizer da passagem do Génesis que o descreve.
Porque é que Deus preferiu o sacrifício de Abel ao de Caim? Que indicação prévia temos do bom carácter de Abel face ao do seu irmão? Porque é que Deus não castigou mas severamente Caim após o homicídio (como castiga tão cruelmente outros no decorrer do Antigo Testamento)?
Questões que nos remetem mais uma vez para o importante trabalho de exegese que reescreve em permanência o texto sagrado.

27 September, 2011

Música de pequeno-almoço

Passei literalmente a tarde a ouvir isto.

Casas de sonho #2

Casas de Sonho é o post mais visto deste blog e tudo graças às maravilhosas fotos de James Silverman, um inglês radicado na Suécia, que cruza fotografia, design e arquitectura.
E cá estão mais casas de sonho captadas pela sua lente.

Olhos pretos


No show de Emilio Pucci (Primavera/Verão 2012)

26 September, 2011

Ode ao Chantilly

Com tanta gente criativa a escrever músicas e poemas por este mundo fora, nunca ninguém se lembrou de escrever algo a propósito do chantilly? A sério. Isto é preocupante. Sou eu a única a achar que o chantilly merece poesia?
E, porque andei numa pesquisa quimérica pela internet à procura de obras de arte relacionadas com o chantilly, acabei por descobrir que se atribui a sua invenção ao famoso cozinheiro francês François Vatel, que eu associava, por questões de marketing, ao sal. Fiquei também a saber que Vatel não era francês, mas sim suíço. Mas ler sobre a vida de Vatel é também descobrir as intrigas da corte francesa no século XVII onde os festins do Rei-Sol eram de tal forma importantes que, diz-se, Vatel se suicidou aos 40 anos por achar que não teria peixe suficiente para satisfazer os convivas de um banquete real. "O rei e a corte admiraram a sua atitude e continuaram os banquetes", relata friamente a wikipédia.

Miúdos

Esta é a foto de uma turma da primária no início dos anos 70 no meu colégio. Dei com ela no facebook. O colégio era maravilhoso e os miúdos desta altura eram mesmo giros.
(A professora é a Lena George, que alguns anos mais tarde seria também a minha professora primária)

Anti-consumista

Nicely done, Paul Smith. Vão ficar bem naquelas raparigas cheias de estilo.
.

Projecto 4 - Carla Hilário Quevedo

A coisa gira de ter um blog é poder (também) dar espaço a pessoas que admiro. Assim, todas as segundas-feiras o Menina Rapaz abre a porta e desafia alguém a escolher 4 coisas que o inspiram.

A convidada de hoje é Carla Hilário Quevedo. Há uns oito anos atrás, quando a blogosfera invadiu em peso a internet, tive alguma dificuldade em encontrar blogs com que me identificasse. E um dos meus preferidos desde sempre é o Bomba Inteligente um blog que, diria eu, tem o tom certo. É pop, sem ser fútil; é erudito, sem ser maçudo; é feminino, sem falar de verniz para as unhas. Diverte, informa e faz pensar. Quem o edita é a Carla, que hoje toma conta do Projecto 4. Se quiserem lê-la mais vezes, podem também encontrar as suas crónicas semanais no jornal Metro e na revista Tabu.


















1. É aquele Holiday, da Blond Ambition Tour, Madonna com folhos e bolas, em 1990, e mais nenhuma versão


2. Depois é aquele Sondheim perfeito, You Could Drive a Person Crazy, de Company, 1970


3. Logo a seguir, é Fred Astaire e Ginger Rogers, numa cena de Top Hat, de 1935, a cantar Isn't This A Lovely Day, num momento em que ambos tiram o melhor partido da adversidade chuvosa


4. Finalmente, é uma cena de Zoolander, um dos meus filmes preferidos. É muito divertida e acaba mal. Orange Mocha Frappuccinos ao som dos Wham


25 September, 2011

Para ler no Outono

Os livros de D. H. Lawrence caem muito bem no Outono. É, diria eu, a época deles. Lady Chatterley's Lover é o que tem mais saída, mas a minha preferência vai para a crueza de Sons and Lovers, a história das relações entre os membros de uma família de trabalhadores (ou a classe média emergente) na Inglaterra industrial do início do século XX. 

É mais ou menos isto

Joanne Woodward e o seu marido, Paul Newman.

Tempo Livre

É Domingo e por isso se tiverem um bocadinho de tempo livre, vejam os três vídeos inspiradores protagonizados por Rick Mereki sobre uma viagem ao mundo que durou seis semanas. Lindos, não são?

23 September, 2011

Cheias de pinta


Imagens tiradas daqui.

Sextas Felizes #2

Comer romãs.
(ilustração do botânico alemão Otto Wilhelm Thomé no século XIX)

Parabéns, Darwin

Charles, não sei se isto será importante para ti, visto que eras mais anglicano e no final da vida tendias para o agnóstico, mas a Igreja Católica acabou de reconhecer a teoria da evolução das espécies. Well done.

(em baixo Charles Darwin sem barba e numa versão dandy)

Whip Your Hair

"I whip my hair", canta Willow Smith. Estas lindas fotos encontrei aqui.

Perfeccionista

Os quadros de William-Adolphe Bouguereau não fazem parte do que tradicionalmente se designa "grande arte". E no século XIX estavam descaradamente fora de moda. Pintou sobretudo camponeses, cenas idílicas, ninfas e quadros religiosos. O seu trabalho é, muitas vezes, de gosto duvidoso e demasiado romântico. Mas eu tenho um fraquinho pela sua obra. E desde já fica aqui prometido para breve um desses quadros de ninfas. Estão avisados.
(em baixo In Penitence, 1895)

22 September, 2011

Do amor e do fogo

Mais um post da "série Madonna", desta vez sobre a frequente associação dos conceitos de amor e de fogo. Onde terá tido origem esta analogia tão frequente?
Escreve Luís Vaz de Camões no século XVI:

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer

Madonna actualiza a mensagem para século XX e confessa:

Don't you know that I'm burning up for your love
You're not convinced that that is enough
I put myself in this position
And I deserve the imposition
But you don't even know I'm alive
And this pounding in my heart just won't die
I'm burning up


(Infelizmente Camões não gravou um vídeo que traduzisse visualmente o seu soneto).

Capa de disco

Que bonita a capa do novo disco de Jens Lekman.

Jump!

Paul McCartney a saltar.

21 September, 2011

Ser criança na Suécia #2

Ilustrações da sueca Elsa Beskow, para o livro infantil The Sun Egg (1932). Com elfos e duendes.

Make-Up

Para dias frios. (mais em  Radiant Cosmetics)

Do Corão

Quando eu andava na escola, nas aulas de história, depois de falarmos dos romanos e dos bárbaros fazia-se uma espécie de silêncio a partir do ano 711, que marcava a invasão árabe da Península Ibérica. Só se voltava a falar de história no século XII, quando D. Afonso Henriques reconquistava a "terra cristã" aos mouros. Nos livros de história, ser mouro era pior que ser a rainha má da história da Branca de Neve.  
Só muito mais tarde, ao nível de estudos pós-graduados, tive o privilégio de aprofundar o que foram esses anos de crescimento científico, cultural e filosófico durante o domínio muçulmano de Portugal e Espanha. E é uma pena que tal não fosse ensinado na altura em que frequentei a escolaridade obrigatória. Afinal, se D. Afonso Henriques não sabia sequer ler, ainda hoje a numeração que usamos é árabe.
Agora, tantos anos mais tarde, nas notícias fala-se muito dos muçulmanos e do que diz o Corão. Como sou uma ignorante na matéria resolvi começar pelo início, ou seja lendo o Corão. 
E as coisas não são bem o que parecem.

20 September, 2011

Publicidade #13

A bisneta do Hemingway

Gosto mais de moda quando sei que a modelo, que se chama Dree, é bisneta do Hemingway. Aqui está ela, cheia de estilo, no catálogo da Madewell.

Romeu e Julieta

"Did my heart love till now? Forswear it, sight!/ For I ne'er saw true beauty till this night."
William Shakespeare, Romeo and Juliet, 1.5

19 September, 2011

Cansei de ser super-heroína

Foto de Rosie Hardy, encontrada aqui.

Projecto 4 - David Fonseca

A coisa gira de ter um blog é poder (também) dar espaço a pessoas que admiro. Assim, todas as segundas-feiras o Menina Rapaz abre a porta e desafia alguém a escolher 4 coisas que o inspiram.

O convidado de hoje é o David Fonseca. É músico e apaixonado por fotografia. Ou, como diria o Herman José dos anos 80, é “o verdadeiro artista”. Porque cada trabalho seu é coeso e pensado, desde a postura em palco aos videoclips (vejam, por exemplo, esteeste ou este). Os seus concertos são sempre bons e imaginados ao detalhe, mas depois saem cheios de espontaneidade. São electrizantes, emocionantes e divertidos. Talvez por isso o David tenha, ao aceitar este desafio, salvaguardado que não acredita assim tanto "nesse fenómeno estranho da inspiração."
Eu estou mesmo contente por tê-lo no Projecto 4.





















1. Leica M7
A fotografia faz parte do meu dia-a-dia e tenho sempre com uma máquina fotográfica comigo, mas esta é diferente de todas as outras. E, como não lhe bastava ser um dos objectos mais bonitos do mundo, é também uma das melhores a captá-lo.


2. Lana Del Rey "Video Games"
Hoje escolho esta porque arranca-me sempre do meu estado de espírito actual para um sítio que ainda não sei bem onde é.


3. Juno 60
É um dos meus instrumentos mais usados no momento, estou convencido que há umas 50 canções lá dentro por desvendar. E tem muitos botões coloridos, como todos os sintetizadores actuais deviam ter.





4. Andar de bicicleta
Sempre, a toda a hora.

18 September, 2011

É mais ou menos isto

Diane Keaton e Woody Allen em Annie Hall (1977)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...